sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Para compartilhar


- Cara, eu estou com um problema sério.
- Sério? Qual?
- Eu estou viciado em Facebook!
- Aff...
- Que foi?
- Não vou nem comentar.
- Se não vai comentar, pelo menos curte!

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Fases


Na época dos blogs todo mundo tentava mostrar como era deprimido
No Twitter, todo mundo queria resumir o mundo em 140 caracteres
Agora no Facebook é todo mundo engraçadinho!

quinta-feira, 7 de junho de 2012

...

Era tão mal qualificado que durante a entrevista de emprego alegou o direito constitucional de permanecer em silêncio.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Jargão

Tenho uma forte suspeita de que colunistas de política ganham mais a cada vez que escrevem as expressões "anda às turras com", "chamou fulano às favas" ou "são favas contadas".

Repara só!

Falta uma

Os telescópios que buscavam o trânsito de Vênus nesta terça-feira (05) acabaram captando o rombo do Cruzeiro do Sul.



terça-feira, 5 de junho de 2012

CPI solar

Apesar de toda a expectativa criada pela mídia e pelos astrônomos, o planeta, devidamente orientado por Márcio Thomaz Bastos, alegou o direito constitucional de passar à noite.

E essa informação que o trânsito de Vênus só volta daqui a a cem anos deixou muito paulistano com inveja.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

De Jairo, Dadá e Carlinhos

"..."

Frase mais intrigante dita por um convocado da CPI do Cachoeira durante as sessões até agora. 

Desde 2008

Esse blog completa de hoje 4 anos de vida.

E o Facebook até agora não abriu o olho.

Francamente!

segunda-feira, 21 de maio de 2012

O Jogo do Bicho


Entenda quem é quem no Jogo do Bicho do CPI do Cachoeira:

Avestruz: é aquele que defendia Demóstenes e agora prefere esconder a cara no chão.

Cachorro: é o melhor amigo do homem. Até foi laranja numa empresa do homem.

Cobra: é que nem a CPI, você sabe exatamente como começa. E sabe exatamente como acaba.

Coelho: está escondido na sua toca porque a qualquer momento pode começar a temporada de caça a ele. Uma espécie que se reproduz cada vez mais.

Cavalo: jura que a ligação telefônica que o compromete não passa de um trote

Elefante: tem orelhas gigantes, que escutam até ligações que não estavam nos planos, o que faz com que a defesa entre com uma ação no STF pedindo ao invalidação do inquérito.

Galo: jura que o sol só nasce porque ele canta. Jura que a CPI só existe por causa dos seus esforços.

Jacaré: é o partido que fica parado. Passa um bom tempo lá parado inerte. Quando menos se espera, não faz nada.

Pavão: é o integrante da CPI daqui a uns meses, pronto para mostrar como foi ativo e importante na CPI durante as eleições.

Vaca: (amarela) é o jogo que Cachoeira vai fazer na CPI, com grandes chances de vencer.

domingo, 20 de maio de 2012

O que eu ia fazer mesmo?

Abrir uma nova guia no Explorer, Google Chrome ou Firefox e depois tentar lembrar porque fez isso é a versão moderna de abrir a geladeira para pensar.

Paulistices


Moro em São Paulo há mais de dois meses, uns 80 dias que já me valeram uma volta ao mundo, menos pelas aventuras do livro de Júlio Verne e mais pela quantidade de culturas e de povos que já vi pela cidade.

Fora o sotaque nordestino bem mais comum que o paulista, nas ruas vejo grupos de africanos conversando num idioma que eu não faço a menor ideia qual seja, japoneses, chineses e boliviano, sendo que os primeiros são os que mais me intrigam. O que faz uma pessoa arriscar a vida noutro lugar que usa outro alfabeto e que fala um idioma completamente diferente? É a crise. Claro, sem contar os turistas que vivem olhando para cima com suas máquinas fotográficas e para trás procurando os colegas de excursão mais lentos.

São Paulo mistura uma tecnologia que eu nem imaginava que fosse ver com um recorte do passado que eu pensava não existir mais. Há televisões em ônibus (na verdade passam slides, mas já um primeiro passo) exposições interativas e ainda existissem engraxates e lojas de máquinas de escrever. Sim, só de máquinas de escrever.

Eu não fazia ideia de quantos mendigos existiam em São Paulo. Vê-se até famílias inteiras nas ruas vestindo trapos e com um mau cheiro que se percebe há uns dois ou três metros de distância. Impossível não constatar: não se vê muitos cães no centro da cidade porque a concorrência com seres humanos por comido é desleal aos irracionais.

Por aqui se acha de tudo. Sem procurar, tropeça-se uma banda. Elas que são tão raras em Bauru. Há também uma efervescência política na Avenida Paulista, marchas, paradas, megafones na Praça da Sé.

O caminho pelas ruas do centro é uma sequência de abordagens, perguntas e afirmações. Vai comprar ouro? Eu leio sua mão, trago a mulher amada. O demônio está entre nós. Amigo, almoço por quilo é aqui. Tem um real? Onde é a Boa Vista?

Nas ruas ainda se vê emos e metaleiros, mas são mais comuns aqueles que misturam calça jeans, camisa branca com algum desenho ou frase, cabelos coloridos, jaqueta xadrez, óculos de armação grossa e de cor viva, ou com calça xadrez, camisa colorida, jaqueta jeans, ou dois desses quatro itens. Ou todos e mais alguma coisa. São de tantas tribos, muitas vezes de mais de uma. Ou às vezes de nenhuma. 

São Paulo bem vale uma foto. 

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Sem contra-indicação

Já tem farmacêutico por aí zoando ambientalista. Parece rivalidade de futebol.

Também pudera. Com bem menos barulho o Veta Dilma! deles surtiu efeito primeiro.

Por enquanto, o Código Florestal segue nas prateleiras.

domingo, 13 de maio de 2012

Maldonado, quem diria


Festa sul-americana graças à vitória de Pastor Maldonado. Ou talvez não. Por causa de Hugo Chávez muita gente tem um pé atrás com a Venezuela. Até por causa disso, muita gente creditou ao patrocínio da estatal petroleira PDVSA a única razão de Maldonado estar na Fórmula 1. Nada disso. Estamos falando de um campeão da GP2. 

A vitória [bolivariana? hehe] não veio por acaso. Hamilton foi o pole, mas para fazer o tempo mais rápido trapaceou. Dar uma volta com menos combustível do que a regra permite não pode. Logo, Pastor foi o mais rápido. Não bastasse isso, não precisou de nenhuma estratégia militar, acidentes ou Safety Car para manter a ponta. Bastou-lhe a visível melhora da Williams e seu braço, é claro.

O lado bom da corrida para a torcida brasileira é a evidência de que a Williams está aí. Senna vinha obtendo resultados melhores que os de Maldonado e nunca é demais sonhar com um pódio ou uma vitória. No GP da Espanha ele não passou nem perto.

Senna se envolveu em dois acidentes complicados de se apontar um culpado. Primeiro Bruno resistiu ao ataque de Grosjean e os dois se tocaram. Depois, mudou o traçado na pista e Schumacher brecou muito tarde. Os dois bateram e em seguida abandonaram. Culpa dos dois. Mas é como dizia Raul Seixas “Uma vez a gente aceita, duas tem que reclamar”.

O brasileiro pode levar um puxão de orelha, mas foi por ter corrido com a faca nos dentes. Schumacher pode levar uma bronca por ter chamado Senna de idiota. Um absurdo talvez. Mas ninguém gosta de perder um trabalho de semanas em uma manobra. Poucos diriam uma palavra menos ofensiva.

Já Felipe Massa não deve terminar a temporada na Ferrari. Não há como. Alonso quase venceu, é líder do campeonato e Felipe Massa terminou em 15º. Largou no fim do grid, mas e daí? Hamilton saiu em 24º e ficou em 8º. Massa levou uma punição e teve que passar nos boxes, mas e daí? Vettel também e acabou em 6º. Felipe vem cometendo o mesmo erro de sempre. Não se arrisca nas ultrapassagens. Ficou um tempão negociando uma ultrapassagem com Paul Di Resta e agora não pode reclamar.

De resto a temporada segue interessantíssima. Cinco pilotos, de cinco equipes, venceram as cinco corridas. Sem falar nas chances da Lotus de Raikkonen e Grosjean ampliarem o feito na sexta corrida, em Mônaco. Os pneus pouco resistentes permitem mais ultrapassagens, mesmo que o excessivo número de pit stops deixe tudo mais confuso.

Estamos vendo também uma montanha-russa nas forças das equipes. Vettel, Hamilton e Button passaram bom tempo da corrida brigando apenas pela 7ª posição. E na próxima corrida podem brigar pela vitória. Não há como arriscar.

Em todo caso, não faltam bons pilotos. Soma-se os campeões Hamilton-Vettel-Button-Raikkonen-Alonso à liga de jovens talentosos Rosberg-Perez-Kobayashi-Grosjean-Maldonado (e quem sabe Senna). Massa e Webber ficam de fora. 

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Antes do parto

O noticiário trouxe hoje mais um episódio da minissérie "As Grávidas de Taubaté".

Depois da falsa mãe de quadrigêmeos, hoje foi a vez da devedora de pensões. A mulher foi presa na famosa cidade paulista por não pagar pensão ao ex-marido, que tem a guarda da filha de 3 anos. 

O projeto de transformar esses causos em peça de entretenimento televiso está em gestação. 

terça-feira, 8 de maio de 2012

Churrasco grego

O Banco Central Europeu finalmente encontrou uma solução para a interminável crise econômica que já derrubou vários governos no Velho Continente.

Acabam de confirmar a contratação dos bombeiros que tiraram uma vaca do buraco hoje em Guarulhos

Quem sabe, agora a Grécia sai do brejo. 

terça-feira, 1 de maio de 2012

Olé

A estatização de uma empresa de energia elétrica coloca a Bolívia ao lado de Argentina e de boa parte da Zona do Euro no processo que os especialistas vêm chamando de "bullying contínuo contra a Espanha"

Passe em casa

Os afegãos não aguentam mais as visitas surpresa de Barack Obama.

Sem avisar, com a velha desculpa do segredo de Estado, o presidente norte-americano aparece por lá para dar um oi.

Daí para frente o afegão tem que sair da sala (onde assistia a TV de bermuda e sem camiseta) e a afegã tem que correr para prender o cachorro e fazer um café para visita ilustre.

E ainda têm que ficar fazendo sala.

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Pegou

O sertanejo universitário está fazendo intercâmbio na Europa. Depois de Michel Teló, agora é a vez de Gusttavo Lima [e você].

Para quem achava que a música brasileira só está agradando à ralé do Velho Continente, chega a notícia de que Tchê Tchererê Tchê Tchê é sucesso na Suíça e em Luxemburgo.

Subiu o nível, hein!

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Único

A tão criticada "criatividade" dos pais e mães ao dar o nome dos filhos não é um mal para a democracia.

Muito pelo contrário!

Depois de uma inegável referência à Demóstenes em ligações telefônicas grampeadas, agora apareceu um tal de Gleyb, envolvido com a quadrilha de Carlinhos Cachoeira.

Gleyb só tem um no mundo. E olhe lá!

O desânimo de um ministro do STF


Os primeiros dias de Carlos Ayres Brito como presidente do Supremo estão sendo difíceis. 

Depois de tentar apartar Joaquim Barbosa e Cezar Peluso, agora está tentando dar uma animada no Dias Toffoli, que anda cabisbaixo em Brasília, coitado.


É que a vida de ministro do Supremo não tem sido exatamente como ele sonhara quando era estudante de direito e advogado.

Desde que assumiu uma das onze vagas do STF, Toffoli ficou de fora de votações importantes, por já ter se manifestado sobre o assunto em questão quando era Advogado-Geral da União. 

Há alguns dias, ele ficou em casa assistindo Sessão da Tarde enquanto os colegas de toga debatiam o aborto em casos de anencefalia.

Nesta quinta-feira, enquanto os ministros tratavam das cotas raciais em universidades, Dias estava em casa contando fio dental. 

Ânimo!

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Consolación

Com as derrotas de Barcelona e Real Madrid, a final da Champions League será entre Guarani e Ponte Preta, no Brinco de Ouro da Princesa.

Já os dois arquirrivais voltam a disputar o Campeonato Espanhol, uma espécie de Paulistón ibérico.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Vettel está vivo

O campeonato 2012 da Fórmula-1 está ficando cada vez melhor. Se já não bastasse um início de ano de com as gratas surpresas da Mercedes e da Sauber, no Bahrein foi a fez da Lotus mostrar sua força. Isso sem contar na dupla vitoriosa do fim de semana, Vettel-Red Bull, que não contam mais com aquele vigor do ano passado, mas que já deram suas caras para o que promete ser um ótimo campeonato. 

Assim como a Sauber na China, apesar de ter carro para lutar pela vitória, a Lotus preferiu não trocar o certo pelo duvidoso e optou por garantir o segundo lugar na reta final [com direito ao terceiro posto também, com Grosjean]. É um escolha que pode se mostrar errada no futuro, já que uns potinhos serão muito valiosos na tabela do campeonato. 

Já Felipe Massa cumpriu o seu deve. Não se pode falar que foi excepcional. Fez o possível dada as limitações da Ferrari na pista do deserto. No entanto o brasileiro não arriscou ultrapassar Alonso, perdendo alguns segundos valiosos de sua corrida. Depois, quando seu colega foi para os boxes, Massa ficou com a pista livre e não aproveitou a oportunidade para tirar a vantagem. Mesmo assim, o fato de ter terminado a corrida na zona de pontuação já lhe dá um fôlego extra na equipe italiana. 

Muito barulho

Ricardo Lewandowski já tratou de deixar bem claro aos colegas de Supremo.

Com essa gritaria toda entre César Peluso e Joaquim Barbosa não há ministro que consiga se concentrar no processo do Mensalão.

E estamos conversados.

Novidades antigas

A informação de que o desenho animado Pica-Pau está brigando bico a bico com a Fórmula-1 na guerra de audiências da TV dominical surpreendeu muita gente.

Mas já havia sido antecipada pelos designers do modelo da Williams em 1998.

Ta aí o bico do carro de Jacques Villeneuve que não me deixa mentir.

sexta-feira, 20 de abril de 2012

O futuro do automobilismo no Brasil e o descaso no Bahrein

Em poucos dias o automobilismo, em especial o brasileiro, recebeu várias notícias ruins.

Para começar, F-Futuro ficou no passado. Era a única categoria de aprendizado em carros de Fórmula (aquele mais parecidos com carros de Fórmula-1 e Indy) e já vinha cambaleando por causa dos custos e do baixo número de competidores.

O resultado disso não é difícil imaginar. Cada vez mais segue a tendência de revelações do automobilismo nacional migrarem para as competições de Turismo (por exemplo, a Stock Car), ou simplesmente darem o passo maior que a perna para disputarem corridas na Europa sem o devido preparo.

Outra coisa empacando o esporte a motor nacional é a construção de um autódromo no Rio de Janeiro, que servirá - se sair do papel - de consolo para os órfãos de Jacarepaguá, praticamente extinto desde o Pan 2007 e que agora recebe o golpe final para as Olimpíadas.

Por fim, o automobilismo se envolveu da pior maneira com a Primavera Árabe. Não há como Bernie Ecclestone negar que sua Fórmula-1 esteja atolada até o pescoço com questões políticas. O GP de Sakhir é um trunfo da dinastia sunita daquele país para mostrar à comunidade internacional que as coisas estão bem e que as revoltas xiitas não passam de fatos isolados.

Os pilotos preferiram dizer que o esporte não tem nada a ver com política. Essa postura dá a entender que as histórias de Jesse Owens, do Santos parando guerras e a união de pessoas de diferentes cores na África do Sul por meio do rúgbi não passam de lendas urbanas. E os pilotos não tomaram essas decisões por ingenuidade.

Outros preferiram comparar a segurança barenita à do Brasil, como fez Vettel. É claro que temos vários problemas de segurança (Button foi assaltado aqui há alguns anos, por exemplo), mas não há como comparar casos que dizem respeito à polícia com aqueles que dizem respeito à ONU. Há revoltas e bombas explodindo perto de carros da Force India no Bahrein.

Nesse domingo, todos os pilotos e dirigentes da categoria entram na pista sob uma bandeira preta de boa parte do planeta.


terça-feira, 17 de abril de 2012

Chifrada

Imagine uma arena de tourada onde o espectador assiste tranquilamente ao calvário do touro.

Em dado momento o touro escapa, quebra a cerca e vai em direção ao público, que não tem para onde fugir.

Ele pode atingir qualquer pessoa na plateia, inclusive esse espectador.

A sensação do personagem nessa situação é mais ou menos aquela de muitos congressistas de situação e oposição neste momento ao aprovar a CPI do Cachoeira.

domingo, 15 de abril de 2012

Finalmente Rosberg

Uma promessa do automobilismo alemão que demorou 111 corridas para brilhar. Rosberg chegou à Fórmula-1 pela porta da frente, logo na Williams, quando a fase da equipe inglesa não era tão ruim. Os resultados foram bons, mas pouco tempo depois sua habilidade foi ofuscada pelo fenômeno Vettel, e nem mesmo seus resultados na Mercedes nos dois últimos anos – superando facilmente Schumacher – eram suficientes para chamar a atenção do torcedor alemão vidrado no prodígio da Red Bull. 

Agora a coisa muda. Vencer logo na terceira corrida prova que Nico e sua Mercedes estão bem. Poderia até ter sido uma dobradinha se não fosse uma falha da equipe no pit stop do alemão mais velho. Apostar em título é precipitado, mas estamos falando de um time que sob a batuta de Ross Brawn levou o inesperado Jenson Button ao título em 2009 ainda sob o nome de Brawn GP.

O filho de Keke Rosberg não enfrentou dificuldades para vencer na China. A corrida foi divertida por causa das ultrapassagens, mas confusa por causa das diferentes estratégias de paradas. Isso porque Sauber e Mercedes resistiram mais na pista sem trocar os pneus, enquanto outras escuderias pararam três vezes. Foi bom negócio para o time alemão, mas não para os suíços, que só marcaram um ponto com Kobayashi.

Apesar da evolução em relação às últimas corridas, a Red Bull não é mais a mesma. Precisou se desdobrar na pista e na estratégia para por Webber no quarto lugar e Vettel no quinto. Podia ser pior. Poderia ser a Ferrari. Os lampejos de boas posições de Massa e Alonso nada mais eram do que umas voltas a mais com pneus duros, nada de evolução no carro. Resultado: nono para o espanhol e mais uma corrida sem pontos para Massa. 

Felipe teve um dia tão decepcionante quanto o de Raikkonen, que largou na segunda fila e andou para trás. Ficou de fora da zona de pontos e ainda viu o colega Grosjean chegar numa ótima sexta-posição: o primeiro depois de RBR, Mercedes e McLarens. 

Já Bruno Senna fez a lição de casa. Foi o sétimo e já põe 10 pontos de vantagem para o colega de Williams Pastor Maldonado. É um ótimo começo e as outras equipe estão abrindo o olho. Até a Ferrari. 

Lá do fundo do grid:
Caterham e Marussia terminaram a corrida uma volta atrás do líder Rosberg, o que é um resultado incrível. Já a Hispania deixa pra lá... Essas três equipes são as piores da categoria, e evidentemente, nenhum dos seis pilotos pontuou em 2012. O detalhe é que apenas SETE pilotos não pontuaram esse ano. O infame grupo é completado por Felipe Massa... 

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Leia-se

Conselho de Ética estudando a cassação de Demóstenes. Grampo aponta envolvimento entre Cachoeira e Protógenes. Supremo decide legalizar interrupção de gravidez em casos de anencefalia.

Não foi fácil a vida do locutor durante esta semana.

Por sorte, nesses dias Ahmadinejad não fez nenhum discurso polêmico.  

quarta-feira, 11 de abril de 2012

O pop não poupa ninguém

A lista de contatos de Carlinhos Cachoeira não para de crescer, segundo os jornais. Os números de telefone eram tantos que o contraventor precisou trocar a caderneta em espiral por uma lista telefônica personalizada.

A Polícia Federal começou a suspeitar dessa popularidade toda depois que Cachoeira recorreu ao sétimo ou oitavo perfil no Facebook para abrigar todos os amigos. Aí não tem como não suspeitar, né?

O lobby do empresário inverte as lógicas da democracia tupiniquim, na qual para cada grupo de milhares de eleitores há um parlamentar devidamente eleito para representá-los. A impressão é de que havia um punhado de deputados e senadores eleitos para representar Cachoeira em Brasília.

Por sinal, alguns noticiários têm minimizado as denúncias que levaram Demóstenes Torres ao inferno astral que vive neste momento. O senador agora é "acusado de usar seu mandato para defender interesses do bicheiro". Tá, isso também, mas e as denúncias de recebimento de parte do lucro com o jogo ilegal?

terça-feira, 10 de abril de 2012

Lula e convidados

Terça-feira não tem erro: é dia de visita nas sessões de fonoaudiologia do Hospital Sírio-Libanês.

Ronaldo e Fernando Henrique já pintaram por lá e hoje (10) foi a vez de Gilberto Kassab ser o convidado do que parece ser um programa piloto para um talk show "Lula recebe",

Danilo Gentili, Marília Gabriela e Jô Soares que se cuidem, porque o projeto pode chegar à TV em breve.

Pra quem duvida, é só esperar o ex-presidente recuperar a voz para poder voltar a fazer seus monólogos stand-up nos palanques petistas durante as eleições.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Rei da Máfia

O filme O Rei da Comédia (1981), de Martin Scorsese é único na história do cinema.

Não porque talvez seja uma obra-prima da sétima arte, mas porque nele Robert De Niro não interpreta um mafioso.

Pelo contrário. O durão de "Os Intocáveis" e mais durão ainda de "Entrando numa fria" interpreta um humorista! Dá pra acreditar?

Claro, para não sair da rotina ele sequestra uma pessoa, mas fica a dica! Para completar o filme tem no elenco Jerry Lewis.

Contrato de risco

Jogador que custa caro e vem com defeito não dá direito a devolução? São Paulo, Palmeiras e Corinthians devem acionar o Procon em poucos dias.

Os três grandes mal tiraram Fabrício, Wesley e Zhi Zhao da embalagem e já tiveram que levar pro conserto. Será que estava na garantia?

terça-feira, 3 de abril de 2012

Secaram os juízes

Depois que o Superior Tribunal de Justiça avaliou que o exame clínico e o popular "olhômetro" não bastam para constatar que o motorista está alcoolizado, não faltaram críticas à decisão considerada pelos próprios juristas "meramente técnica".

A piada mais comum era a de que os ministros estavam bêbados na hora de decidir.

No entanto, os mesmos que apontaram - com razão - o enfraquecimento da Lei Seca e os perigos dessa nova interpretação, não formularam nenhum tipo de crítica aos legisladores, esses sim, os autores dos textos da Lei.

Afinal, nada mais sem noção do que estipular um limite mínimo de seis decigramas por litro de sangue (???) e imaginar que o guarda poderia medi-lo.

sábado, 31 de março de 2012

Em quem você votou?

Antes:
- De qual bancada é o parlamentar em quem você votou?
- Como assim?
- Bancada que defende um grupo de pessoas... Bancada Ruralista, Ambientalista, Evangélica...

Agora:
- De qual operação é o parlamentar em quem você votou?
- Como assim?
- Operação da Polícia Federal... Operação Boi Barrica, Monte Carlo, Castelo de Areia...

Três cápsulas de Millôr

"Muita gente aí vivendo por absoluta incompetência para morrer"

"Um humorista não solta um último suspiro. Solta uma última ironia"

"A morte é hereditária"

quarta-feira, 28 de março de 2012

Millôr Definitivo

Quatro dias depois de perder o comediante Chico Anysio, o humorismo brasileiro sofreu mais uma dura baixa.

Criador de frases engraçadas e filosóficas, Millôr desenhava em um traço grotesco, traduzia e criava piadas em diversos idiomas e escrevia textos irônicos e repletos de referências literárias e políticas e até publicava piadas com frases em diversos idiomas sem tradução. Buscava aquele humor da risada de canto, não da gargalhada.

Eram tantas as suas frases, que elas servem para ilustrar sua própria morte: "Morrer é uma coisa que se deve deixar sempre pra depois". Na verdade, servem para ilustrar, ironizar e atacar tudo. Até minha admiração por ele: "Como são admiráveis as pessoas que não conhecemos muito bem".

Millôr era basicamente o tradutor oficial de Shakespeare. Em plena Ditadura Militar fundou "O Pasquim" e escreveu ao lado de Flávio Rangel a peça "Liberdade, Liberdade!", que recebeu elogios do jornal The New York Times além de um carimbo de censurado de você sabe quem.

Durante as entrevistas para o meu blog Jornal do Humor, percebi o óbvio: vários humoristas e cartunistas foram influenciados por ele, como Allan Siebber, que descobriu em sua obra uma outra vertente de desenho pela frente, e Marvadão, que o tinha como mestre do calo no raciocínio de tanto filosofar.

Digamos que se Chico Anysio foi o mestre do humor na TV, Millôr foi o mestre do humor no texto escrito.
Embora tenha tido algumas passagens como locutor de rádio ou apresentador de programas de TV, o carioca ficou imortalizados por suas colunas e poemas (em um poema apresentava pessoas rolando escada abaixo com as letras do poema girando, como se fosse o movimento de queda).

Enfim, além do manual de verbetes humorísticos com suas frases (o  livro Millôr Definitivo: A Bíblia do Caos), nos falta um Manual do Millôr, para entender sua importância.

segunda-feira, 26 de março de 2012

Contraste

Enquanto acontecia o festival de humor do Risadaria no Parque do Ibirapuera em São Paulo, torcedores de Palmeiras e Corinthians organizavam o festival de horror Pancadaria

terça-feira, 20 de março de 2012

A vaga de Felipe já já estará aberta

O jornal italiano que chamou Felipe Massa de inútil para a Ferrari está longe de ter dito um absurdo. O aproveitamento do piloto brasileiro não chega perto do desempenho de Fernando Alonso há um bom tempo, e a vaga de segundo piloto da escuderia pode ficar disponível em breve. Mais algumas batidas à toa e tchau.

O Autosprint viajou um pouco ao lançar a candidatura de Jarno Trulli, tentando refazer a pressão do país da bota que já colocou Giarcarlo Fisichella no posto de suplente de Massa na época do acidente com a mola de Rubinho.

O Físico é um piloto mediano, tão bom quanto Trulli. Se for para apostar num substituto de último hora pro lugar de Felipe eu ficaria entre os seguintes nomes: Maldonado, Pérez, Sutil e Rosberg (esse último seria o favorito, mas é provável que sua Mercedes brigue por vitórias, o que o manteria afastado da "pequena" Ferrari em 2012).

segunda-feira, 19 de março de 2012

A Voz do Povo

As rádios, principalmente em São Paulo, estão fazendo uma campanha a favor da flexibilização da exibição da Voz do Brasil (atualmente entre as 19h e 20h).

A mudança de horário, ou até do fim da obrigatoriedade do programa, são boas iniciativas, mas emissoras de rádio, por favor, não preencham essa hora (suada) com música e programas enlatados!!!

Se o principal argumento é de que estamos perdendo uma hora de notícias e prestação de serviços, mostrem que estão dizendo a verdade.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Sugestão

Sabe aqueles gráficos e infográficos informativos que acompanham reportagens nos jornais??

Os jornais poderiam trocar o título "Infográfico" por "Entendeu ou quer que eu desenhe?"

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Acerte o seu aí que eu acerto o meu aqui

Vai ter confusão hoje à noite. 

Agora com celular, tv a cabo e computador conectados à internet a gente nunca sabe quando os relógios são automaticamente atrasados pelo horário de verão. 

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

A incompreensível política partidária das eleições em SP

Não faz sentido gastar neurônios para tentar entender o emaranhado político atual em torno das eleições na cidade de São Paulo. O que não faltam até o momento são jogadas surrealistas para a corrida municipal. 

Os três principais partidos na disputa apresentam hoje candidatos inimagináveis há um ou dois anos, o que gera ou segue gerando crises internas e confusões na mente do eleitorado, o último a saber das decisões partidárias. 

A exemplo da indicação de Dilma, o ex-presidente Lula deixou de lado as vozes do Partido dos Trabalhadores para empurrar um ministro para a chancela do voto. Depois de demover petistas históricos de concorrer, como Marta Suplicy e Mercadante, o PT preferiu concentrar esforços em promover Fernando Haddad como o candidato ideal para a metrópole. 

A cúpula do PMDB foi além no exercício de ignorar os membros tradicionais da legenda. Em busca do executivo paulistano, o partido de Michel Temer vai mostrar a foto de Gabriel Chalita aos eleitores que apertarem 15 na urna eleitoral. Trata-se do mesmo escritor recém-ingresso na política que há um ano e meio levantava a bandeira do PSB.

Mas o passo mais arriscado nos jogos partidários ainda não é uma certeza. O PSDB pode ignorar Bruno Covas, Andrea Matarazzo e José Anibal numa tacada só ao lançar – mais uma vez – José Serra na corrida pela prefeitura. Visando uma porção maior do eleitorado, os tucanos correm o risco de dar pano para manga para uma porção ainda maior de eleitores – a dos anti-Serra, que irão certamente jogar no tabuleiro uma carta conhecida: a antiga ambição do ex-governador em tornar-se presidente, a despeito da administração municipal. 

Quem está de fora dos intensos registros de fogo-amigo nos recantos políticos de São Paulo é justamente o mais importante elemento das eleições. Kassab assume abertamente apoio ao PSDB no caso da candidatura de José Serra, tornando-a impossível em contrário, como se todo o apoio vindo do PSD e de seus eleitores só tivessem uma explicação personalista, sem qualquer mérito ideológico, uma vez que a desistência do ex-presidenciável tornaria certa a aliança do atual prefeito com o PT. 

A coligação PMDB-PT também é outro discurso ambíguo. Chalita e Haddad evitam o confronto direto, a ponto de admitir uma já costurada aliança no segundo turno, como se a derrota de um deles fosse certa.  

Enquanto isso, nada se fala das questões de interesse do paulistano. O debate que se desenhou na operação da PM na Cracolância perdeu força. Até o momento, as eleições ainda são uma questão partidária. Nada de discussão política. 

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Até o PCO falou do Rafinha

A propaganda partidária do PCO que foi ao ar em todo o país nesta quinta-feira errou a mão ao associar repressão policial e censura à imprensa aos processos sofridos por humoristas, com o intuito de dizer que vivemos numa ditadura.

O vídeo ainda não está disponível na internet.

O partido chegou a mostrar uma foto do ex-CQC Rafinha Bastos para exemplificar esse cerceamento da liberdade de expressão.

Acontece que "o cerco" ao humor costuma vir de bandeiras defendidas pela esquerda. Basta lembrar que foram piadas com minorias (deficientes mentais) e com as mulheres (suposta apologia ao estupro) que motivaram - respectivamente - a proibição da venda do DVD Arte do Insulto e uma ida do comediante ao Ministério Público para prestar esclarecimentos.

Isso sem citar que Rafinha Bastos nunca foi conhecido por fazer piadas marxistas.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Voto supremo

Uma prévia do que deve ser visto na votação sobre as funções do Conselho Nacional de Justiça:

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Aprenda inglês com os nomes de filmes

Esqueça o dicionário Português/Inglês. Ouvir músicas ou tirar a legenda de filmes nem pensar. São todos métodos inadequados de se aprender o idioma bretão.  

Em 1971 o jornalista Sérgio Augusto trouxe-nos via Pasquim, o mais brilhante método de aprendizado idiomático já inventado: 

“O ensino tornou-se acessível a todos, graças à fértil imaginação dos responsáveis pela tradução dos títulos de filmes americanos e ingleses para o português” já dizia. 

Para mostrar a atualidade e eficiência do programa apresentado ao mundo por Sérgio Augusto trago exemplos em filmes lançados no ano passados e a ser lançados neste começo de 2012. 

Vejamos os nomes originais e as traduções – sempre literais, obviamente. 

Jack and Jill – Cada um Tem o Gêmeo que Merece
One For The Money – Como Agarrar Meu Ex-Namorado
21 Jump Street  – Anjos da Lei
Just Go With it – Esposa de Mentirinha
Horrible Bosses – Quero Matar Meu Chefe
Girl With Dragon Tattoo – Os Homens que Não Amavam as Mulheres

Mais direto impossível. Se nesse meio tempo você correu para o Donkey’s Father, volte para o nível 1. Chegamos à conclusão que:

Jack = Cada um tem / and Jill = o Gêmeo que Merece
One for =  Como agarrar / The Money = Meu Ex-Namorado
21 = Anjos / Jump = da /Street = Lei
Just go = Esposa / with it = de mentirinha
Horrible = Quero Matar / Bosses = Meu Chefe (olha só!)
Girl with = Os Homens que Não / Dragoon = Amavam / Tattoo = as Mulheres

A partir do que aprendemos podemos formular frases e com elas tirar algumas lições. Por exemplo:

“Como agarrar anjos” = One for 21 (ou seja, os Três Mosqueteiros eram amadores)
“Quero matar meu ex-namorado” = Horrible the money
“Amavam as mulheres de mentirinha” = Dragoon tattoo with it
“Esposa da chefe” = Just go jump bosses

Por fim, invertemos o passo anterior e apreendemos a traduzir adequadamente expressões em inglês, como:

“Girl with the money” – Os homens que não meu ex-namorado
“Jump, Jack!” – Da, cada um tem! (parece que eles falam coisas sem sentido)
“Horrible tattoo” – Quero matar as mulheres (que horror!) 

Agora que você tem fluente, aproveite para ganhar dinheiro com nosso próximo lançamento – Como Ensinar Português a Estrangeiros com Músicas de Michel Teló. 

Bye, bye. 

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Megaupload, PIPA e SOPA

Uma corrida aos pen drives e CDs graváveis como forma de garantir o que é seu foi a reação inicial a aparente adoção da linha-dura para reprimir a pirataria digital. Na mesma semana em que dois projetos de lei no Congresso norte-americano ganharam fama para deleite dos amantes de trocadilhos (SOPA e PIPA - Stop Online Piracy Act e Protect IP Act), o FBI prendeu os executivos do site Megaupload, tirando-o do ar.

O site recebia e armazenava arquivos dos usuários e na maioria dos casos qualquer internauta podia baixá-los dados, desde que tivesse o link de acesso. E isso acontecia com filmes, músicas e até discografias completas, sem qualquer restrição à quebra de direitos autorais. No mesmo rumo do birô norte-americano, parlamentares planejavam aprovar duas leis que permitiriam ao governo bloquear qualquer site no mundo que desrespeitasse os direitos autorais, com ênfase, é claro, naqueles que violassem obras dos Estados Unidos.  

As duas posturas (proposta e ação) juntas provocaram a revolta de internautas, dispostos a hackear páginas de corporações e a combater ações repressivas, dizendo-se a favor da liberdade de expressão que a vida online nos trouxe.

Há restrições quanto às posturas dos dois lados e eu as expresso aqui.

Onde os defensores do Megaupload e afins erram

O direito autoral descende do direito de propriedade material, algo igualmente controverso e polêmico. A propriedade do pai passa para o filho? E se ele tiver vários filhos? E se ele não usa a propriedade? E se a empresa proprietária faliu? Não é fácil responder, vide a ação da polícia em São José dos Campos.

E como definir o dono de uma música ou de um trecho dela? De um quadro? De uma foto? Algumas músicas caíram em domínio público (não sei por que a frase lembra a expressão “cair em desgraça”). Mas para ouvir a versão que a Orquestra Sinfônica fez de uma música de Mozart não pense que a orquestra lhe entregará de mão- beijada. Os direitos da execução são dela.  

De qualquer modo, os direitos autorais existem porque alguém faz a música, o filme, o livro. Como eles ficam?

Em primeiro lugar, há algumas alegações simplistas para defender Megaupload e sites relacionados. Por exemplo: baixar arquivos não causa prejuízo às produtoras. Causa sim. Prejuízo para elas e para gravadoras, artistas, cinemas, locadoras. É comum alguém dizer: “mas a Fox ou a Warner atuam explorando artistas, monopolizando o circuito do entretenimento e faturam milhões de dólares”. Ok, mas não conheço ninguém que tenha dito: “eu só faço download de filmes da Warner, porque ela não é legal.” Baixa-se de uma e outra e a tese das grandes produtoras cai por terra.
  
Outra afirmação é de que o download é menos perigoso do que comprar CDs piratas porque não alimenta máfias ou qualquer outro tipo de organizações criminosas. Em parte é verdade. Na pirataria material o dinheiro vai para alguém. Mas ao baixar arquivos você pode ganhar de brinde um vírus – ainda mais quando o download se populariza mais do que a segurança na internet. Sem contar que uma das ações criminosas apontadas pelo FBI foi o fato de o Megaupload ganhar dinheiro com anúncios. Você não gasta, mas de alguma forma o intermediador ganha um dinheiro para usá-lo como quiser. Se vai comprar um Cadillac amarelo ou armas, não se sabe.

Os prejuízos estimados à indústria do entretenimento provocados pelo site derrubado giram em torno de 500 milhões de dólares segundo o FBI. Pode ser que a polícia norte-americana tenha valorizado a cifra, mas é inegável que alguém perde nesse processo.

Talvez o rombo não seja tão visível quando se toma como referência o usuário. Aquele que recebe e usa o produto baixado. Mas vamos para o ponto de vista do criador. Aquele que compõe, dirige, atua, filme, escreve e edita. Sua produção perde o valor e a tão sonhada profissionalização artística torna-se impraticável. Quase ninguém vive por música.  Imagine uma foto, frase ou criação sua caindo na rede e ninguém seque lembra quem é você. Revoltante? Imagine se alguém lucrasse sobre isso então.

Onde a visão de mercado das produtoras é limitada

O ataque às grandes produtores tem origem em alguns argumentos certeiros. O preço dos DVDs e CDs sempre foi exagerado, embora tenha caído recentemente. Não é provável que alguém esteja disposto a pagar 40 reais em um filme que ele nem sabe se vai gostar. Isso sem contar os abusos cometidos contra o pobre colecionador. Algo que eu irei abordar em outra ocasião. Sugestão? Recorra a uma locadora. Ok, dá certo se você quiser ir ver um filme mais recente.

E quando se trata daquele filme B? O primeiro em que aparecem Tom Cruise ou Cameron Diaz, por exemplo. Ou aquele filme argentino que bateu na trave no Oscar. Você não vai encontra-lo tão facilmente em uma locadora, loja e não espere contar com a Sessão da Tarde.

A possibilidade de se ter acesso a filmes clássicos parece um avanço cultural trazido pela internet. Traz uma enorme finalidade educativa e é estranho dizer que baixar um filme de 1956 esquecido pela Universal possa representar algum prejuízo à produtora.

Outro argumento de defesa é o tiro saindo pela culatra. O mercado se vê prejudicado pela pirataria, mas ela segue alguns ditames do mercado. Veja o caso do vídeo on demand. Assista algo na hora que você quiser! Essa liberdade de escolha não fazia parte do mercado liberal, em que a exibição de um filme ou música tinha horário determinado e limitado.

A mudança de cultura foi tão grande que as próprias emissoras de TV agora disponibilizam vídeos on demand gratuitamente em seus portais. E assim o usuário que baixa uma série no Megaupload vai defender-se dizendo que só quis assistir o Two and Half Men um pouquinho antes de a atração ser exibida na Warner, porque naquele dia marcado para a estreia não vai dar, sabe?

Os acessos e comentários nas redes sociais podem até indicar se compensa uma emissora nacional trazer para cá um seriado americano, se um CD merece mais atenção das gravadoras do que o previsto ou se um livro merece uma reedição mais bem tratada.

Resumo

Há nesse assunto um claro choque entre o modelo antigo e o modelo novo. Hoje, bandas lançam suas músicas somente pela internet. Não são todas as que dão certo e que lucram em shows, mas também não eram todas as bandas convencionais que se tornavam famosas nos anos 60.

Segundo a empresa de consultoria canadense Sandvine, o site Megaupload já chegou a ocupar 11% do tráfego na internet aqui no Brasil. Não é uma cifra desprezível, legalmente ou não.

Mesmo ao recuar da aprovação imediata do SOPA, um dos seus autores, o deputado republicano Lamar Smith, declarou que é preciso criar uma lei que proteja invenções norte-americana de ladrões estrangeiros. Nada mais parecido com filme de James Bond do que a prisão de um alemão que mora na Nova Zelândia. Daqui a pouco a família de Ian Fleming cobra direitos autorais nessa ação.

De todo mundo, é relevante questionar a duração dos direitos autorais. No Brasil eles duram 70 anos depois da morte do autor. Mário de Andrade não se encaixa nesse grupo até 2015, por exemplo. Até mesmo os lucros aos autores vivos são questionáveis. Quem não gostaria de se sustentar por algo produzido há 10, 20 anos? É até um convite a parar de produzir, diriam alguns.

Os filmes deveriam cair em domínio público em menos tempo ainda. É difícil enxerga-los como lucrativos vinte ou trinta anos depois do lançamento, por exemplo, mas nem por isso deixam de ser fonte de cultura e entretenimento.  

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Concorda?

Essa imagem ao fundo na entrevista com a funcionária do navio Costa Concordia é o quadro "Relatividade" de Escher ou são as escadarias do navio já inclinado na costa italiana?

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Por favor, de pé

Você se senta na poltrona. Espera alguns minutos. As luzes se apagam. Um feixe de luz ilumina o palco e entra um cara. Ele começa a falar no microfone e você fica se perguntando: Eu já não vivi isso antes?

Esse Déjà vu tem explicação científica: todo show de comédia Stand-up segue um roteiro, que inclui a irritante explicação sobre o que é Stand-up para um público que pagou 50 reais pela entrada (o humorista acha que o cara pensou "vou gastar meu dinheiro numa coisa misteriosa e ver se eu aprendo pelo menos uma expressão em inglês").

Depois de horas assistindo a apresentações in loco e na internet, conseguimos decifrar esse código humorístico e elaboramos esse manual:

Como fazer um Stand-Up em dez passos

1 - Apresentar-se ridicularizando sua própria situação (peso, cor, time)
2 - Explicar o que é o Stand-up Comedy
3 - Contar piada do tipo "eu estava andando na rua e percebi"
4 - Explicar o que é o Stand-up Comedy
5 - Mostrar a diferença de hábitos entre homem e mulher
6 - Fazer piadas com a data comemorativa mais próxima e mostrar o quanto é estranho reunir a família
7 - Mostrar a diferença de hábitos entre homem e mulher
8 - Momento piada politicamente incorreta (negro, baiano, homossexual)
9 - Contar aquela piada supostamente autoral que lembra muito uma piada do Ary Toledo
10 - Terminar mostrando a diferença de hábito entre homem e mulher

A grande mosca

Na quarta, dia 18 de janeiro, o Google, Wikipedia e afins vão endossar protestos contra projeto de lei norte-americano que aperta o cerco contra pirataria na Internet, a tal da SOPA (Stop Online Piracy Act).

Seria o buscador universal a mosca na sopa dos direitos autorais?

Para divertir, deixou aqui uma das melhores músicas de Al Yankovic. Como diz o poeta, "Você começa roubando músicas / E depois está roubando loja de bebidas / E vendendo Crack". Claro que é brincadeira.

Bandeira preta

Não, não.

O anúncio de que Senna vai correr na Williams não é uma resposta à possível adição de um segundo a mais nos relógios, proposta por uma agência das Nações Unidas.

Essa história de associar Rubinho a segundo não cola mais.

Temporal

Em todo verão a chuva supera as expectativas para uma determinada região.

Você já ouviu várias vezes: "Em 24h choveu mais do que o previsto para o mês todo."

Não tá na hora de mudar essa previsão, não?

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Poesia russa

Todo janeiro uma dúvida inquieta o povo:
Até que dia do mês
se deseja Feliz Ano Novo?