sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Exército PMDB

Mubarak renunciou. É só isso que se pode dizer até aqui. Ou nem isso. "Renunciaram" ele, é claro. Milhões de egípcios nas ruas, numa revolução que culminou com o fim de uma ditadura que durou 30 anos.

De resto não dá para falar nada. O exército tomou o poder para garantir a democracia e reconduzir o poder ao poder. Claro, claro, parece um pouco o discurso das forças armadas brasileiras em 1964, mas não vamos esquecer que no Egito o faraó comandava há 30 anos vencendo eleições de um candidato só, enquanto que a turma verde oliva e amarelo tomou o poder depois de 3 anos de um governo democraticamente eleito.

Uns especialistas garantem que o exército egípcio é progressista, e sua posição de cruzar os braços durante os protestos é exemplar. Outros desconfiam dos militares, visto que eles sempre estiveram ao lado do Hosni, e agora só mudaram de lado porque a derrota era iminente... assim passariam compor o lado vencedor. Ao melhor estilo PMDB de ser.

Será que todo mundo se concentrou em comparar Sarney à Mubarak, quando na verdade o exército pode se mostrar nos próximos anos mais um PMDB bem sucedido?

Um comentário:

Mateus disse...

yeah. PRINCIPALMENTE quando começar a exigir sua cota nos ministérios!